A RECOMPENSA

Quando vamos a andar pelo passeio é comum encontrarmos pessoas conhecidas, não é?

É igualmente comum perguntarem-nos e nós perguntarmos: Está tudo bem?

Se temos algum tempo a gastar, ficamos a ouvir e a dar a resposta. Caso contrário, pomo-nos a andar.

Quando nos perguntam como é que estamos, ao respondermos que tudo vai andando mais ou menos ou vai-se andando, é a resposta socialmente aceite. Se metermos o tema doença ou acidente no meio, aí temos conversa para mais meia hora. No final, vamos embora com um: Que corra tudo bem! Força! E fica tudo normal…

Mas imagine que você vai na rua e dá de caras com um amigo que já não vê há muito tempo.

– Então! Como é que estás? – pergunta-lhe.

E de repente a sua resposta é:

– Eu? Eu estou FANTÁSTICO! Olha para este clima maravilhoso! É lindo, não é? Olha para aquela árvore enorme e bela. Olha a cor das folhas… ouve o lindo som dos passarinhos! Que maravilhosa que é esta vida, não achas? Eu sinto-me feliz, vivo, sinto-me um ser humano incrível e ilimitado!

Cá para nós, aquilo que iria acontecer é que a conversa terminava ali mesmo, enquanto que o amigo iria embora a pensar que o melhor era irmos para o hospital psiquiátrico, porque algo de errado se passava connosco. Algo fora do normal…

Isto, porque vivemos numa Era em que somos recompensados por nos sentirmos uma porcaria ou mais ou menos e somos excluídos e penalizados por nos sentirmos BEM DEMAIS!

Chamo a isto de Hipnotismo cultural. É como quando se entra numa biblioteca e se põe a brincar e aos gritos de entusiasmo. Os outros ficam a olhar para si com ar de desaprovação, como se o olhar falasse: Aquele não sabe estar numa biblioteca!

Acontece o mesmo nesta sociedade. Torna-se normal viver assim… mais ou menos. E acha-se muito estranho e anormal viver com alegria, excitação, extase, felicidade…

O Cérebro do ser humano está programado para se focar e notar o que se passa de errado à sua volta. É assim que ele nos protege de eventuais perigos que podem por a sobrevivência da espécie em causa. As pessoas prestam muito mais atenção às desgraças e acidentes do que a outras pessoas felizes. Por isso é que as notícias estão cheias de drama e sangue e é também por isso que quando você compra um carro novinho em folha, os seus olhos apontam logo para aquele risquinho no parachoques. 99,9% do carro está em excelente estado, mas aquele risquinho não nos sai da cabeça…

É assim que é. Por incrível que pareça isto está programado em si, tal como um computador está programado para funcionar do modo que funciona. Ajuda aprender a tomar consciência destas coisinhas, apenas para poder verdadeiramente escolher a melhor forma de agir no seu dia a dia.

EnglishPortuguese